Menu

14 de out de 2012

Insatisfação.


Não dá pra confiar muito em você. Que de tão solto me sufoca. Suponho eu, então, que não seja amor. Concordemos nós, o amor não sufoca. O amor liberta, amor é assim. Só amor. A-mor!
E vamos combinar que amor quando não é amor já deixa escancarado e logo a gente percebe. 
E outra, você não havia de ser homem pra mim. E nem eu mulher pra você. Aliás, eu não era mulher pra ninguém. Mas era quando você passava as mãos frias em minhas costas por dentro de minha blusa que eu achava desconfiava sentir alguma coisa. 
Mas aí, eu conheci outros rapazes. Você conheceu outras garotas, e o que havíamos dito sem querer, despedaçou-se absurdamente. É que mesmo eu sendo fria, sempre dispensei coisas mornas e me culpei tanto por não fazer você estar pegando fogo. 
Mas é que eu tava passando em frente ao teu prédio e resolvi entrar. Sem medo de te encontrar acompanhado, enfrentando sem nada em troca o meu medo ridículo de elevador. Não fui com a intenção de que rolasse alguma coisa, vim pra falar desse tempo inconstante. Desses estudos que não levam fim algum. Tomar um café para que pudéssemos nos auto-descobrir assim, frente a frente ao outro. Eu nunca quis te merecer e nem fiz nada pra isso. Mas vim, que mal tinha? Eu não era louca de ousar enfrentar a mim mesma.
Então cheguei, abri suas janelas, sentei em seu sofá me senti parte dele. Parte sua. Mas eu não era, você não confiava em mim e nem eu em você. Eu só queria que você largasse um pouco a TV e olhasse só para mim. Queria que visse mais graça em mim do que nas atrizes da novela. Mas olha, eu sei, conheci outros rapazes, só que é inevitável passar pela portaria sem entrar.
Eu desconfio que eu sinta alguma coisa. Ainda que seja saudade, um pouco. Ou talvez eu só tenha vindo me desculpar, por ter descoberto que ainda que eu tenha conhecido outros rapazes, ninguém entendeu e riu do meu medo de altura tão bem quanto você. Que me acalmou desse medo que sufoca. É que mesmo eu sendo tão fria, não suporto passar frio sozinha. Talvez por isso eu tenha vindo. Mas já estou indo embora. Junto com a saudade, foi só ver você que ela foi embora. E eu tô indo também...
Você nunca havia de ser homem pra mim, e nem eu pra você... Aliás, eu não havia de ser mulher pra ninguém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...