Menu

18 de dez de 2012

Amor devagarinho.


Eu ri, ele ri e pronto. Nós já estamos de bem. Um beijo-puxão-de-orelha-na-boca e pronto, ele gosta... Até me pega no colo. Eu amo quando ele faz isso. Amo tudo que venha dele. Amo essa maneira silenciosa de brigar, de amar, de doar. De fingir não sentir nada quando se sente de tudo. É um pecado que não tenha me encontrado antes. Ainda que não admita ter medo do amor, eu com toda essa minha sabedoria amorosa, que só existe por tanto ter capengado de canto em canto, descubro que não quis brincar de tsunami com ninguém. Que me esperava, mesmo não sabendo de minha existência. Lecionei: Todos nós precisamos de alguém. Nem que seja só por algumas horas. O encantamento visita até os durões, como não te visitaria? Logo ele, que até carinho gostoso sabe fazer. Até amor sabe fazer, comida e penteados embaraçados do qual já te jurei que são os melhores. Mas não faz a barba. Tem preguiça. Ainda mais agora que sabe lá como, descobriu que gosto assim. Aceita que sou repetitiva: "te amo, te amo e te amo!" retribui. E o amor quando bem retribuído faz até cócegas na alma. Eu conto tudo isso e ele ri, pronto. Eu sempre soube que esse negócio de amar, uma hora me faria rir. Ameaço levantar, quando parece estar dormindo, tão sereno, parece até que encontra e conversa com Deus. Fico mais, e mais. Por ter a nítida certeza do quão quero isso para a eternidade. Ainda há quem diga que esse tempero há de estragar... E o que é que tem se estragar? A gente se adoça, se enjoar, a gente joga sal no meio.
Eu sei fazer dar certo, aliás, aprendi com ele. Como eu amo fazer dar certo, e eu que achei não saber fazer nada enquanto ele dava conta de tudo. Como se não bastasse na coberta, nós nos enrolamos na vida. Enrolamos a vida, com um amor tão preguiçoso e nítido  um beijo que lentamente me deixa mais viva do que nunca. Tudo fora esquecido. Me presenteou com seus dias de carência: "faça o que quiser!" Só não te devolvo, amor... Não te devolvo. Porque o real e principal presente é o moço, que já desembrulhei e usufrui com todo o gosto. É que, não consigo, mesmo brava o reescrevo em cada linha de meus sonhos. Amar devagarinho, dormir, acordar, sonhar e amar. Pronto. Já estamos de bem.

Um comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...